Arquivado em Lifestyle Publicado em
18 Maio, 2015

Quando eu me tornei ‘eu’

Quando a gente é pirralha tenta ao máximo ser aceita em determinado grupo, compra as roupas que todo mundo tem, usa o cabelo da mesma forma, fala as gírias ridículas e sem sentido da galera…

Mas aí a gente vai crescendo e percebendo o que realmente nos faz feliz, descobre que apesar de parecer estranho aos olhos alheios, aquele hobby -até então queima filme- se torna sua válvula de escape, não importa os  olhares tortos sobre você. Na real, você quer mesmo que esse bando de gente chata se exploda!

Não foi muito diferente comigo e a julgar pelo comportamento das crianças/pré adolescentes de hoje em dia, vai continuar sendo assim por um bom tempo! 


Eu só comecei a me importar menos com a opinião alheia lá pelos 20 anos e pelos 3 anos seguintes fui amadurecendo, cada dia aprendendo algo novo, ignorando comentários zero agregadores, usando o que eu tenho vontade e falando minha opinião verdadeira, sem tentar me encaixar em determinado grupo. Viver se tornou mais leve, sem aquele peso todo da máscara que a sociedade nos impõe a usar. 

Não tenho vergonha de dizer que não sei cozinhar, passo roupa muito mal e não faço ideia de como se lava um banheiro e ao contrário do que muitos pensam, não sou uma preguiçosa folgada: trabalho desde os 16 anos, continuo estudando e minha vida pessoal também vai muito bem, obrigada! 

Enfim, a ideia do post não é dizer que vivo num conto de fadas (e quem vive?), mas é apenas para dizer o quanto me sinto bem na minha própria pele e para fazer um desafio aos chatonildos de plantão: ao invés de palpitar na minha vida sem ser convidado, que tal se focar em melhorar a sua? Garanto que compensa bem mais!
Escrito por /
Post Anterior Próximo Post

4 Comentários

  • Mellanye

    Eu também, só passei a me importar menos quando tinha a mesma idade que você… E mudei radicalmente, acho fui "contra a maré", por isso sou tão estranha hoje em dia hahaha
    Quando a gente entra nessa fase e alcança plenamente o nosso "eu" acho que não existe caminho de volta, e nos apaixonamos perdidamente por nós e pela vida que passamos a levar.
    Isso é lindo :3

    beijos

    19 Maio, 2015 at 5:44 pm Reply
  • Leticia Gonçalves

    A beleza está na autenticidade.

    20 Maio, 2015 at 4:13 pm Reply
  • Helen

    As pessoas não estão preparadas pra quem vai na contra mão né? Mas nenhum olhar torto se sobressai a sensação de finalmente ter se achado!

    26 Maio, 2015 at 11:44 pm Reply
  • Helen

    Super concordo!

    26 Maio, 2015 at 11:45 pm Reply
  • Me conta o que achou

    Você vai curtir